Início Brasil EXCLUSIVO: Lewandowski e o polêmico sumiço DE 11 milhões

EXCLUSIVO: Lewandowski e o polêmico sumiço DE 11 milhões

28
0
COMPARTILHAR

Por Claudio Dantas

Na última sessão da Segunda Turma antes do recesso, Ricardo Lewandowski demonstrou nível de irritação acima do normal.

O Antagonista apurou que o ministro estava particularmente incomodado, não com a libertação de José Dirceu, mas a prisão do empresário Bruno Basso, ex-marido e ex-sócio de Maria Cristina Boner.

Para quem não sabe, Cristina Boner é conhecida nos bastidores de Brasília por seu sucesso empresarial como representante da Microsoft. No governo FHC, a empresária faturou bilhões em contratos sem licitação. Na gestão petista, teve como sócio Waldomiro Diniz, ex-assessor de José Dirceu. Em 2011, voltou ao noticiário policial no mensalão do DEM.

Em 2008, Basso e Boner se separaram. O divórcio litigioso levou ao bloqueio de um montante de R$ 11 milhões depositados numa conta judicial vinculada à 5a Vara Cível de Barueri (SP).

Ocorre que, em 14 de junho do ano passado, Cristina Boner peticionou ao gabinete de Lewandowski pela liberação do dinheiro. O ministro inicialmente alegou “não cabimento” do pedido afinal, não se trata de matéria do STF.

Meses depois, porém, Lewandowski reformou sua decisão após pedido do advogado Alexandre Falaschi e determinou a liberação do dinheiro. Diante da demora da 5a Vara, o ministro reforçou o pedido em 30 de outubro período em que se recuperava de um acidente em São Paulo.

Ao saber do desbloqueio dos valores, Bruno Basso, o ex-marido, recorreu, pois não fora ouvido no caso. Mais uma vez, Lewandowski mudou de ideia e mandou “suspender os efeitos da liminar originalmente concedida”. Ou seja, mandou cancelar a liberação do dinheiro. Mas Cristina Boner já havia limpado a conta.

Para complicar a situação, Bruno Basso teve a prisão decretada em processo que a ex-mulher moveu por extorsão e agressão.

Em março passado, o empresário protocolou um habeas corpus, distribuído para o gabinete de Lewandowski, o mesmo que lhe deu o “prejuízo” dos R$ 11 milhões. O primeiro pedido de liminar foi negado pelo ministro que, um mês depois, mudou de opinião (de novo) e decidiu libertá-lo.

Dias mais tarde, o MPF recorreu e Lewandowski acabou levando o caso para a Segunda Turma, já no final de junho.

Nessa última sessão, porém, foi aconselhado a deixar o caso esfriar. Cristina Boner contratou José Eduardo Cardozo e José de Oliveira Lima (Juca), enquanto Admar Gonzaga, ministro do TSE, passou a dar assistência a Bruno Basso.

Pelo visto, estão todos muito preocupados.

Fonte: O Antagonista

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here